• Amo Orquideas

  • quarta-feira, 28 de abril de 2010

    DICA DE COMO DEIXAR AS ORQUIDEAS EM APARTAMENTO

    Cultivo em Apartamento
    Para cultivar orquídea em apartamento, escolha uma ou mais janelas que receba bastante sol durante o dia, e proteje-a com sombrite (Uma pequena tela escura, com malhas 50×50), para que a luz solar passe pulverizada.
    Quanto a rega e adubação,o mesmo princípio para todas.

    PODAS E CORTES

    Em orquídeas são aplicados apenas para retirada de folhas mortas, secas ou com doenças, podas de hastes florais já secas, divisão da planta ou ainda para retirada de novos brotos (os chamados keikis).
    A ferramenta de poda deve ser preferencialmente uma tesoura bem afiada de jardinagem pequena, sempre esterilizada com fogo a cada novo corte que der numa região da planta.
    Para dividir uma planta, cada parte deverá ficar com, no mínimo, três bulbos, tendo-se o cuidado de não machucar as raízes vivas, que devem apresentar pontas verdes, no verão ou inverno para que o corte possa ser feito em condições ideais.
    Podas
    Você pode estimular novas e mais abundantes florações podando a haste floral assim que perde o valor ornamental. Orquídeas monopodiais, como as vandas, têm crescimento vertical e podem atingir metros de altura. Nesse caso, pode-se fazer uma divisão, cortando o caule abaixo de 2 ou mais raízes e fazer um novo replante.
    Se a base ficar com alguns pares de folhas, emitirá novos brotos e seguirá seu crescimento normal.
    Os eventuais pseudo-bulbos antigos, mesmo sem folhas deve ser preservados, pois ainda armazenam nutrientes necessários para o desenvolvimento da planta.
    Para saber como estimular a produção de mudas e flores, leia o artigo "Otenção de mudas de orquídeas Phalaenopsis na haste floral por indução com pó de canela".
    Texto da net

    terça-feira, 27 de abril de 2010

    PRAGAS E DOENÇAS

     Atacam as orquídeas por muitos motivos e hoje existem diversas formas de controle e combate de pragas e doenças, naturais ou industrializadas.
    O controle adequado de luz, umidade e adubação correta do substrato favorecem o não aparecimento de doenças e pragas. A disposição dos vasos com distância mínima de 20 cm também é aconselhado, para que parasitas não migrem de uma planta para outra.
    A esterilização de tesouras e o próprio manuseio de plantas doentes deve ser feito com atenção, para que não se passe doenças para plantas sadias logo depois. Mudas, que são mais sensíveis às doenças, devem ficar separadas de plantas adultas.
    Em geral, muita umidade pode trazer problemas crônicos para as raízes, causando seu apodrecimento. O acúmulo de água é também causa da perda e amarelamento das folhas, deixando-as com uma coloração verde-garrafa. É também excesso de umidade que atrai fungos que podem matar uma planta adulta num curto espaço de tempo. Pragas também são comuns em orquídeas, como os pulgões. Uma planta sob ataque de um pulgão comum, da família dos afídeos (Aphidae), que adora sugar seiva de hastes novas (hastes de Oncidium são um alvo comum), e de botões florais, o que pode acabar com uma bela floração em poucos dias.
    doenças de orquídeas
    Além de danificar as flores, os pulgões podem transmitir certos tipos de vírus, notadamente o OFV (Orchid Fleck Virus). Outras pragas como Lesmas, caracóis, nematóides e conchonilas variadas, que comem as raízes ou atacam as folhas e flores.
    No caso de lesmas e caracóis, recomenda-se a retirada manual através de armadilhas de miolo de pão embebido em cerveja ou mesmo cortes pequenos de chuchu. Para retirada completa dos ovos (que medem de 1 a 3 mm) e o restante dos caracóis, deve-se afundar o vaso da planta por uma ou duas horas em água e repetir este processo nas próximas duas ou três semanas seguintes.
    Ao comprar uma planta, procure sempre conhecer sua procedência, para não levar para casa uma espécie contaminada por vírus, nematóides, caracóis e fungos, por exemplo.
    Se o problema dos pulgões e conchonilhas persistir, tente o uso do fumo de rolo. Ferva 100g de fumo de rolo picado em 1,5 litro de água. Acrescente uma colher de chá de sabão de coco em pó. Espere esfriar e borrife sobre as plantas infectadas. É importante ferver o fumo, pois pode ser portador de vírus.



    DICA

    Calda de Fumo de Corda com Sabão
    Ferva 100mgrs de fumo de corda em 2 litros de água por 5 minutos,deixe esfriar coe,misture 2 colheres de sopa de coco em pó. Acrescente mais 2 litros de água,misture bem e aplique nas folhas das plantas infectadas. Previne contra percevejos,besouros,pulgões,conchonilhas etc...
    Fotos net

    DICAS PARA PULGÕES E OUTROS INSETOS

    TINTURA DE FUMO
    Base para calda de fumo(10cm de fumo de corda picado). Coloque os pedaços em um vidro escuro,acrescente 1 litro de alcool,tampe bem e deixe descansar por 7 dias em local com pouca luz. Coe em um pano ou filtro de papel e guarde em frascos escuros bem fechados,longe de luz er em local fresco. Dilua 1 litro de tintura em 10 litros de água e pulverize as plantas.É um preventivo contra insetos sugadores e mastigadores(pulgões).

    CULTIVO DE CATTLEYAS

    Cattleya é um gênero de orquídeas com cerca de setenta espécies. A Cattleya é muito presente em todo o território brasileiro, com espécies em todo o Sudeste, especialmente na Mata Atlântica e no Cerrado. Muito cultivada por seu tamanho e beleza (A Cattleya warneri, por exemplo, pode alcançar 25 cm de diâmetro), está disseminada em todo o país em lojas e floriculturas.
    É muito fácil de ser cultivada, prefere ficar sobre ripados de madeira, na chamado meia-sombra, mas podem ser cultivadas em apartamentos e interiores.
    In Natura, vive em lugares arejados e úmidos e temperaturas relativamente altas, em árvores de pouca sombra (luminosidade em torno de 60% para a maioria das espécies). O arejamento é um fator primordial para se conseguir belas flores.


    Podem ser facilmente divididas quando emitem novas raízes para fora do vaso, e o melhor momento para dividi-las é logo após a floração quando o novo crescimento estiver apenas iniciando.
    Lembre-se sempre de esterilizar a tesoura antes da poda.
    Devido a sua capacidade para hibridação, só na natureza suas espécies se intercruzaram mais de 38 vezes (híbridos interespecíficos, ou seja, entre espécies do mesmo gênero) e com espécies de outros gêneros 31 vezes (híbridos intergenéricos). Com Laelia, cruzou 21 vezes. Com a Brassavola, 7 e com Schomburgkia, 3 vezes. Logo, existem mais híbridos naturais do que espécies.
    Em função de seu sistema vegetativo, o gênero Cattleya é dividido em duas categorias: Plantas monofoliadas (unifoliadas ou labiatas) ou seja, possuem apenas uma única folha): Cattleya labiata, mossiae, percivaliana, trianae, warscewiczii, entre outras. Plantas bifoliadas as que apresentam duas e, às vezes, até três folhas: Cattleya ackandliae, amethystoglossa, bicolor, forbesii, granulosa, guttata, intermedia, leopoldi, schilleriana, skinneri, velutina, entre outras.
    Cattleya
    Cattleya harrisone
    Cattleya intermedia
    Cattleya schilleriana
    Geralmente, as espécies monofoliadas carregam menos flores do que as bifoliadas, estas, no entanto, são bem maiores e possuem um labelo que se destaca por sua beleza, colorido e tamanho. Em geral, não mais do que 4 flores com duração de duas a três semanas e apresentam uma haste caulinar expandida (pseudobulbo) no qual armazenam água para o período de dormência (ou repouso).
    As flores da Cattleya araguaensis e Cattleya luteola embora sejam monofoliadas, são bem menores sendo que esta última está entre as menores espécies do gênero (tanto a planta quanto suas flores).
    As espécies bifoliadas têm uma haste caulinar mais fina (também chamada indevidamente de pseudobulbo) e seu comprimento pode ser de alguns centímetros ou alcançar 60cm, 1m e até mesmo 1.50m de altura. Cattleya amethystoglossa, bicolor, granulosa, guttata, leopoldii, schofieldiana e porphyroglossa estão entre as maiores plantas do gênero.

    Fotos da net

    quarta-feira, 21 de abril de 2010

    Arundina graminifolia


    foto por Mac! G.L.fotografe  MINHA ORQUÍDEA


      Como cultivar a orquídea terrestre : Arundina graminifolia

    Nome Técnico: Arundina graminifolia (D. Don) Hochr.
    Syn.: Arundina bambuseifolia (Roxb.) Lindl.

    Nomes Populares :
    orquídea bambu ou orquidea de jardim
    Família :
     Família Orchidaceae
    Origem:
     Originária da Sri lanka, Malásia
      Ásia Tropical, Burma, atual União Mianmar ou antiga Birmânia, país do sudeste asiático
    Ciclo de Vida: Perene
    Descrição:
     A Arundina é a única espécie deste gênero e de origem asiática com clima tropical.
    Planta herbácea perene de caule parecido com junco, formando grandes touceira de altura que pode chegar até 2,0m.
    Suas folhas são estreitas e finas com até 19 cm de comprimento e com ponta aguçada.
    As flores são isoladas, cor-de-rosa com o labelo em cor-de-rosa forte ou púrpura e sépalas rosadas que envolvem o caule.
    Também são encontradas a Arundina graminifolia alba, de flores brancas.
    Floresce da primavera ao início de outono e pode ser cultivada em todo o país.
     
    Modo de Cultivo :
    Local ensolarado, solo rico em material orgânico e bem drenado.
    Plantar em cova com muito composto orgânico e adubo animal mas com cascas de pinus ou de coco para garantir boa drenagem.
    Dicas de cultivo

    Pode ser cultivada à meia-sombra ou a sol pleno, mas sempre em solo rico em matéria orgânica. Quando plantada em vaso, a mistura recomendada é:
    1 parte de terra comum de jardim,
    1 parte de terra vegetal e
    2 partes de composto orgânico
    As regas devem ser regulares, sem encharcamento, e sempre que o substrato secar na superfície.
    C ultivada em condições adequadas, floresce o ano inteiro, mas seu período de florescimento vai da primavera ao início do outono.
    Sua floração é mais intensa em regiões de clima tropical e equatorial. Não tolera geadas.
    Para fazer novas mudas da arundina, pode-se usar o processo da divisão das touceiras, mantendo de 2 a 3 ramos em cada nova muda.
    Paisagismo:
    Forma touceiras e seu uso junto a muros ou paredes ensolaradas causa belo efeito, bem como em canteiros isolados

    Cattleya

    Cattleya
    foto por Mac! G.L.fotografe  MINHA ORQUÍDEA

    quarta-feira, 14 de abril de 2010

    Kananga Do Japão

    MINHA FLOR

    Tabela de Mêses de Floração e Especies

    Mês de Floração

    MêS
    ESPÉCIES
    JANEIRO
    Brassavola flageralis, Catasetum fimbriatum, Cattleya aclandiae, Cattleya forbesii, Cattleya harrissoniae, Cattleya rex, Laelia crispa, Laelia lobata, Laelia purpurata, Miltonia regnelli, Miltonia spectabilis, Stanhopea insignis.
    FEVEREIRO
    Albo xanthina ou Encyclia, Cattleya bicolor, Cattleya tigrina, Cattleya velutina, Huntleya meleagris, Laelia pumila, Laelia spectabilis, Laelia xanthina, Miltonia spectabilis, Oncidium jonesianum, Sobralia sessilis.
    MARÇO
    Aneliesia candida, Catasetum trulla, Cattleya bicolor, Cattleya labiata, Cattleya velutina, Cattleya violacea, Miltonia clowesii, Oncidium jonesianum, Oncidium lanceanum, Oncidium varicosum var. rogersii, Rodriguesia venusta.
    ABRIL
    Cattleya gutata, Cattleya labiata, Cattleya luteola, Cattleya percivaliana, Epidendrum crassifolium, Laelia anceps, Laelia pumila, Maxillaria picta, Oncidium forbesii, Oncidium varicosum, Paphiopedilum insigne ou sapatinho, Sophronitis cernua, Sophronitis coccinea, Zygopetalum maxillare.
    MAIO
    Cattleya dormaniana, Cattleya percivaliana, Cattleya walkeriana, Cytopodium andersonii, Epidendrum longispatum, Laelia pumila, Leptotes unicolor, Maxillaria brasiliensis, Oncidium forbesii, Sophronitis cernua.
    JUNHO
    Cattleya walkiriana, Gongorra atropurpurea, Cymbidium e seus híbridos, Isabelia virginalis, Oncidium pulvinatum, Paphiopedilum insigne, Sophronitis cernua.
    JULHO
    Dendrobium kingianum, Dendrobium nobile e seus híbridos, Gomesa recurva, Ionopsis paniculata, Laelia endsfeldzii, Laelia flava, Laelia jonhiana, Laelia longipes, Sophronitis cernua.
    AGOSTO
    Cattleya loddigesi (conhecida como roxinha), Coelogyne cristata, Cymbidiuns hibridos, Dendrobium nobile e seus híbridos, Ionopsis paniculata, Phaius tankervilleae (popular trombeta), Sophronitis coccinea, Zygopetalum crinitum, Zygopetalum mackayi.
    SETEMBRO
    Cattleya amethystoglossa, Cattleya intermedia, Cattleya trianae, Coelogyne cristata, Dendrobium agregatum, Laelia crispata, Laelia jongheana, Lycaste virginalis, Pabstia jugosa, Rodriguezia fragans, Sophronitis coccinea, Vanda tricolor.
    OUTUBRO
    Brassavola perrinii, Cattleya maxima, Cattleya mossiae, Cattleya nobilior, Coelogyne lawrenceana, Coelogyne massangeana, Dendrobium pierardii, Gomesa crispa, Gongora bufonia, Leptotes bicolor, Oncidium concolor, Oncidium marshallianum, Oncidium pubes, Phalaenopsis amabilis.
    NOVEMBRO
    Aspasia lunata, Bifrenaria harrisoniae, Bifrenaria thyrianthina, Brassavola perrini, Cattleya granulosa, Cattleya nobilior, Cattleya warneri, Cirrhaea dependens, Laelia purpurata, Oncidium longicornum, Oncidium sarcodes, Renanthera coccinea, Sophronitella violacea, Vanda tricolor, Zygopetalum crinitum.
    DEZEMBRO
    Cattleya warneri, Coelogyne flaccida, Dendrobium thyrsiflorum, Laelia cinnabarina, Laelia lucasiana, Laelia purpurata, Laelia tenebrosa, Miltonia flavescens, Oncidium crispum, Oncidium gardneri, Oncidium flexuosum, Oncidium zappii.

    terça-feira, 13 de abril de 2010

    Gongôrra quinquenervis

    foto por Mac! G.L.fotografe  MINHA ORQUÍDEA
    Gongôrra quinquenervis
    Esta Gongora é nativa do noroeste da América do Sul, abrangendo o Perú, Equador, Colômbia, Venezuela e a ilha de Trinidad. Ela vegeta como epífita, muitas vezes consorciada com formigas, desde o nível do mar até uma altitude de 1.400m. Os pseudobulbos são vincados e encimados cada um por duas folhas largas com cerca de 5 nervuras longitudinais, a origem do seu nome. As flores da forma tipo são cor de vinho. Existe uma variedade em que as flores são inteiramente purpúreas. O cacho floral de uma planta bem estabelecida em cultivo pode chegar a 60cm de comprimento. O exemplar da foto está plantado em um vaso de plasticoco comcasaca de pinus e brita nº1, mas a Gongora também pode ser cultivada em cachepos de madeira, uma vez que as suas flores saem da base do pseudobulbo dirigindo-se para cima e não perfuram o substrato em direção ao fundo, como acontece, por exemplo, com as Stanhopea. Percebi que essa espécie necessita de uma adubação rica em nitrogênio, senão as folhas ficam amareladas. Isso provavelmente se deve ao fato, dela ter evoluído vegetando sobre formigueiros arbóreos, um substrato muito rico nesse composto. 

    Gongôrra quinquenervis

    Gongôrra
    foto por Mac! G.L.fotografe MINHA ORQUÍDEA

    Ooncidium aloha

    foto por Mac! G.L.fotografe  MINHA ORQUÍDEA
    Ooncidium aloha
    Oncidium
    (Lê-se ON-CÍ-DIUM)

    Estas orquídeas são originárias de países do novo mundo (América do Sul) É difícil generalizar quanto às condições de cultivo das espécies, pois é uma família numerosa e está espalhada por habitats tão diferentes como florestas tropicais ao nível da água dos mares e a grandes elevações da cordilheira dos Andes.
    São plantas que gostam de boa luz mesmo com algum sol directo nos Oncidium de folhas mais grossas. É de evitar o sol directo nas horas de mais calor para evitar queimaduras nas folhas. A cor das folhas é geralmente verde-escuro, quando as folhas estão muito claras é sinal de que estão a receber demasiada luz.
    Os Oncidium são orquídeas que normalmente crescem em temperaturas intermédias a quente. Em média poderemos considerar como mínimas 15-16 graus e máximas de 28-30 graus. Podem tolerar temperaturas mais altas se houver muita humidade no ar e bom arejamento.
    As regas vão depender da temperatura, tamanho do vaso e substracto utilizado. Só devemos voltar a regar quando a parte superior do substracto está seca. O excesso de água é o mais perigoso e pode matar a planta. Nos dias mais quentes podemos regar de 2 em 2 dias e em dias mais frios 2-3 vezes por mês. Na época de crescimento deveremos juntar à água de rega um fertilizante para orquídeas em CRESCIMENTO (rico em Azoto) e assim que se começarem a desenvolver as hastes florais, deveremos mudar para um fertilizante para FLORAÇÃO (rico em potássio e fósforo).
    O fertilizante deverá ser administrado rega sim, rega não.
    Os vasos que se utilizam para estas orquídeas podem ser de plástico ou de barro mas também se podem utilizar cestos ou montagens em cortiça. A mistura de substracto (casca de pinheiro, fibra de coco, etc) deve ser regulada pela espessura das raízes da planta. Para plantas de raiz fina, usamos uma mistura também mais fina, para plantas com raízes mais grossas podemos utilizar uma calibragem maior do substracto.
    Estas orquídeas devem ser reenvasadas a cada 2 anos e quando os novos rebentos têm cerca de metade do tamanho final. Geralmente é na Primavera.
    Depois das flores caírem as hastes florais dos Oncidium não voltam a florescer pelo que devem ser cortadas rente à base dos pseudobolbos.

    Bulbophillum rothschildianum

    foto por Mac! G.L.fotografe MINHA ORQUÍDEA
      Bulbophillum rothschildianum

    Denphal

    foto por Mac! G.L.fotografe  MINHA ORQUÍDEA


    Denphal (híbrido)Muita gente pensa que Denphal é um híbrido entre Dendrobium e Phalaenopsis. Isso não é verdade. Essa hibridação é impossível. Denphal são híbridos entre algumas espécies de Dendrobium, notadamente os Dendrobium do grupo, ou seção, Phalaenanthe, os quais possuem flores com pétalas largas, muito parecidas com as flores dos Phalaenopsis, daí o nome. Phalaenopsis em latim significa: parecido com uma borboleta. Os dendrobium desse grupo são nativos da Austrália e Nova Guiné. O Dendrobium phalaenopsis é nativo do nordeste da Austrália e ocorre numa área restrita da parte leste de Cape York, próximo à cidade de Cooktown. Essa espécie é a mais característica do grupo e foi ela a usada inicialmente nas hibridações com espécies afins. Com pseudobulbos de até 1.20m de altura e flores com cerca de 7cm de diâmetro, essa é a mais bela espécie da seção Phalaenanthe. As suas flores são muito parecidas com essas das fotos, só que maiores. Hoje o Dendrobium phalaenopsis (1891) não é mais uma espécie à parte e passou a ser uma subespécie do Dendrobium bigibbum. Seu nome ficou sendo então Dendrobium bigibbum phalaenopsis. Eu acho que essa mudança foi acertada, pois as flores dessas duas subespécies são quase idênticas, só variando no tamanho e na cor do labelo...

    domingo, 11 de abril de 2010

    11 Exposição Nacional de Orquideas de Vinhedo

    Começa a Exposição De Orquideas 
    dias 17 e 18 de Abril de 2010
    Parque Municipal Jayme Ferragut,Vinhedo/ SP
    Sábado,dia 17/04,das 9hs ás 20hs
    Domingo,dia 18/04,9hs ás 17hs
    Entrada Gratuita

    quarta-feira, 7 de abril de 2010

    Orquidófilo Aniel Carnie1

    Orquidófilo Aniel Carnie 2

    Um Pouco Sobre a História das Oquídeas



    Supõe-se que a história da cultura das orquídeas tenha começado no extremo oriente, sobretudo no Japão e na China, há cerca de 3.000/4.000 anos. A palavra chinesa para orquídea (lan) já aparece no herbário chinês desde então. Entretanto, não se sabe ao certo quando ela passou a ser cultivada pelo homem e nem se este cultivo foi motivado por razões estéticas ou apenas medicinais.
    A primeira referência direta à orquídea encontrada foi feita pelo imperador chinês Sheng Nung, ao dar alguns conselhos sobre o uso do Dendobrium com finalidade medicinal.
    Confucius (551 - 479 ac. ) também fez referência ao perfume das orquídeas.
    No século 3, um manuscrito chinês de botânica menciona duas espécies que hoje são conhecidas como Cymbidium ensifolium e Dendrobium moniliforme.
    Em outros livros chineses, datados de 290 a 370 de nossa era, há referências diretas às orquídeas. Apesar das inúmeras citações também feitas aos gêneros Vanda e Dendrobium, o Cymbidium foi sempre o mais citado dos três.
    No ocidente, a referência mais antiga é encontrada em Theophrastus, aluno de Aristóteles, considerado por muitos como pai da botânica. Em seu trabalho denominado "Investigação sobre as Plantas", datado do ano 300 antes de Cristo, ele usa a palavra "orchis" para denominar certas espécies. "Orkhis" é a palavra grega para testículos e apesar dele ter sido o primeiro a mencionar, possivelmente não foi o primeiro a observar a semelhança entre as raízes de certas orquídeas terrestres (que vegetam sobretudo nas zonas temperadas da Europa) e os testículos. Ainda hoje estas espécies são conhecidas pelo mesmo nome (Orchis maculata, simia, mascula, spectabilis) e dele derivou o nome de toda família: "Orchidaceae".
    No primeiro século depois de Cristo, um médico grego de nome Dioscórides, que serviu como cirurgião do exército romano, reuniu informações sobre 500 plantas medicinais, entre elas duas "orchis", em um trabalho intitulado "Materia medica".
    No período que vai de 960 a 1279 (Dinastia Sung), muitas monografias e tratados sobre estas plantas foram elaborados na China.
    Com a descoberta de novos mundos, outros gêneros de orquídeas (principalmente as epífitas) , até então desconhecidos, passaram a fazer parte do universo europeu, que só conhecia as "orchis" terrestres.
    Antigas inscrições astecas falam de como a fava da Vanilla era usada pelos seus ancestrais para perfumar a bebida feita a partir do cacau. Os Maias também a utilizavam.
    Os colonizadores espanhóis foram responsáveis pela introdução da utilização da fava, na Europa.
    Em 1552, no "Manuscrito de Badianus", pela primeira vez na literatura do Ocidente foi mencionada uma orquídea originária do novo mundo, a "Vanilla". Este primeiro estudo sobre a flora da América do Sul. informava que ela era usada como especiaria, como perfume e sob a forma de poção, indicada para se ter uma boa saúde.
    Em 1597, foi publicado o "Herbário de Gerard" (John Gerard - 1542/1612), onde as orquídeas são denominadas Satyrion feminina pois acreditava-se que elas seriam alimento dos sátiros e que seus excessos eram por elas provocados.
    Em 1688, John Ray, em sua "História do Plantarum", descreveu a Disa uniflora, a mais bonita orquídea da África do Sul...

    JORNAL DA GAZETA MATERIA SOBRE ORQUIDEAS


    Delicadas, coloridas e queridas. Assim é a definida a flor que tem uma beleza que consegue seduzir e hipnotizar quem olha ela pela primeira vez. A orquídea, que ganha cada vez mais admiradores, não exige muito no cultivo: água, luz natural, atenção e muito carinho.
    A reportagem mostra como é o cultivo e o fascínio que elas exercem sobre as pessoas.

    terça-feira, 6 de abril de 2010



    Ambientalista brasileiro dedica a vida às orquídeas
    Um senhor de 85 anos tem uma história comovente, emocionante para contar: ele dedicou a vida a uma flor. Na Região Serrana, na cidade de Domingos Martins, cercada por fragmentos de Mata Atlântica que sobrevivem ao tempo, Roberto Kautsky é referência. Motivo de orgulho para quem pensa no meio ambiente. É muito conhecido no mundo inteiro, diz um homem. O nome dele hoje eu acho que é maior do que o de Domingos Martins quando se trata de orquídeas, complementa outro homem. Foi paixão à primeira vista. As orquídeas e suas diferentes formas e cores seduziram o experiente pesquisador quando ele ainda era criança. Eu comecei com 9 anos de idade e estou com 85, conta o ambientalista Roberto Kautsky. As descobertas que ele fez sobre a Mata Atlântica são assuntos de publicações pelo mundo. Há um livro é em japonês, uma edição em alemão. Frutos de anotações minuciosas, reconhecidas pela ciência. O ambientalista guarda parte do tesouro que tem bem perto de casa. São mais de 120 espécies descobertas na região que levam o nome de Kautsky ou de parentes dele. Outras centenas de plantas registradas e documentadas em livros apareceram graças ao olhar cuidadoso do especialista, que viu mais do que orquídeas. É uma bromélia que se chama Neuregelia liliputiana, a menor do mundo. Foi uma descoberta minha, revela Roberto Kautsky. Ele conta como cultivar na mente tantos nomes científicos: Isso é um dom que a gente tem, orgulha-se o ambientalista. A mata fica na propriedade da família. São 33 hectares que viraram reserva ambiental. Sem desânimo, ele continua em frente, mesmo diante da doença. Aos 85 anos, Roberto Kautsky descobriu que está com câncer. É na mata que o pesquisador se sente ainda mais a vontade. Hoje, com a saúde mais frágil, os médicos da família pedem que ele fique mais quieto. Mas vai falar isso para quem sempre foi inquieto, na busca por mais vida. Ele explica de onde vem tanta vontade: Tem orquídea, tem bromélia, tem coisas nativas que eu posso ajudar a pesquisar ainda, declara Kautsky. E tem também muita disposição. Ele segue ladeira acima e não falta fôlego para descobertas. Fita vermelha para marcar outra espécie rara. Mais uma encontrada no Espírito Santo. No viveiro, as mudas se multiplicam. Trabalho do Instituto Kautsky para estimular o replantio de espécies nativas da Mata Atlântica. Sensibilizar para a necessidade de recuperar e proteger os recursos naturais, descreve Fátima Santana, do Instituto Kautsky É a mais pura lição de vida.

    CASA E JARDIM

    ORQUIDEAS PRESENTE DE DEUS

    domingo, 4 de abril de 2010

    Noções Básicas de Cultivo de Orquideas
    Denitro Watanabe
    Cultivo de Miniorquideas
    Muitos orquidófilos cultivam orquideas de porte pequeno por gosto ou por falta de espaço.Ofato de serem miniaturas,não siginifica que não sejam belas.De fato,entre as pequenas,há flores de infinita graça e beleza.
    Uma Sophronitis,por exemplo,com flores de 5cm e altura da planta da ordem de apenas 10cm,para fins de julgamento,não é considerada uma micro-orquidea,pois elas devem ter flores de 1cm ou menos,mas pode figurar entre as miniaturas.Se uma Laleia purpurata tivesse as mesmas proporções entres a flor e altura da planta de uma Sophronitis,o tamanho da flor da Laleia purpurata seria de 40cm, já que a planta atinge 80cm. Cada colecionador terá que definir para si o tamanho máximo de suas miniaturas em termos de controle do espaço disponivel.Se suas plantas tiverem altura máxima de 10cm, num local de 1m2 poderão conviver cerca de 50 plantas.As flores poderão atingir 10cm ou mais,como no caso de uma Masdevallia.
    É possivel o cultivo, com êxito,mesmo num apartamento,se for numa varanda ou lado de uma janela que receba uma boa iluminação,colocando uma tela de 70%,se a luz for direta.
    Como a umidade atmosférica é muito baixa nesses locais,pode-se colocar as plantas sobre um prato contendo brita ou areia sempre molhada.A água que evapora manterá as plantas hidratadas.
    Cyidado com vasos encharcados,pois as raizes tendem a apodrecer depois de algum tempo.Para resolver esse problema,auarde a planta lançar novas raizes, rertire do vaso e fixe num tronquinho de madeira,envolvendo-a com um pouco de musgo antes de amarrar.Só então passe a molhar moderadamente todos os dias,principalmente nos dias mais quentes.
    Na verdade,a frequencia correta de rega é molhar toda vez que o musgo estiver seco.Molhe o musgo com o adubo liquido a cada 20 dias,durante o periodo que estiver em atividade vegetativa,ou seja,com pontinhas novas nas raizes.
    Numa exceda na adubação,pois a planta poderá crescer e desenvolver-se bem,mas sem floração.
    Não use adubo contendo nitrogênio(N) em porcentagem maior que fósforo(P) ou potassio(K).Por exemplo::40-10-10 pois nesse caso diminui a possibilidade de floração.
    Miniorquideas estão sujeitas a pragas e doenças,como qualquer outra planta.No caso de ataque por pulgão,conchichila,rematóide,pode-se usar o oléo de Nim que é um produto natural,na dosagem de 10ml por litro de água (1%).No caso de doenças fúgica,pode-se alternar Fosetyl a 2,5g por litro d’água(fungicida sistemico,ou seja,que circula pela seiva)e,após 20 dias,Captan 2,5ml por litro d’água(fungicida de contato).Ambos são defensivos de baixa toxidade.
    Seria uma medida a aplicação desses defensivos nas plantas que retornam de uma exposição e plantas recém adquiridas...

    sexta-feira, 2 de abril de 2010



    107 Exposição Nacional de Orquideas
    31 Mostra de Bromelia de São Paulo
    22 Expo Artes e Artesanatos do Jardim da Saúde
    Dias: 30 de abril e 02 de maio de 2010 das 9:00 ás 17:00 hs

    Jardim Botânico de São Paulo
    81 anos - Opção de Lazer
    Av: Miguel Estéfano,3031 - Agua Funda
    Fone: (011) 50736300 - R.241
    Circulo Paulista de Orquidofilos

    quinta-feira, 1 de abril de 2010

    O CULTIVO DE ORQUIDEAS

    O cultivo de Orquideas
    Vale a pena ser paciente
    Cultivar orquideas pode ser viciador.Alguns apreciadores gastam horas estudando os nomes latinos de suas orquideas favoritas para pronunciá-los corretamente.
    É imensa a variedade de orquideas.Cerca de 25 mil espécies foram descobertas na natureza,e organizações oficiais reconhecem mais de 100 mil híbridas artificiais.O termo ''híbrido artificial'' não siginifica que os botânicos criaram novos organismos vivos a partir do solo,água e ar.Significa que esses híbridos são produtos de polinização cruzada controlada.
    Tanto as orquideas que crescem na natureza como as produzidas com ajuda humana apresentam vários tamanhos.Há espécies tão minúsculas que é preciso usar uma lente de aumento para observá-las melhor,enquanto outras ficam facilmente á vista em peitorais de janelas.Uma orquidea que cresce na floresta tropical da Indonésia pode pesar quase 500 quilos!
    As orquideas ostentam uma grande variedade de cores e formatos.Algumas delas têm uma semelhança impressionante com abelhas,mariposas e pássaros,enquanto outras têmum formato ímpar que chama a atenção.principalmente de cultivadores.Por muitos anos,essas belas plantas eram acessíveis apenas aos ricos,,as hoje elas estão dísponiveis aos de condição mais hulmides.

     Febre de Orquideas
     As pessoas admiram orquideas há séculos,mas ó em tempos relativamente recentes cultivadores aprenderam técnicas eficazes de reproduzi-las.EM 1856,floresceu a primeira orquidea híbrida artíficial.No entanto,cultivar essas flores magníficas - mas que exigem cuidados meticulosos - costumava ser mais tedioso do prazeroso.
    As sementes são pequenas - algumas parecem pó.Manusear sementes tão pequenas assim era desafiador,e ainda costumava ser,mas o maior desafio é fazeê-las crescer.Por décadas,orquidófilos experimentaram diferentes materiais e condições para achar um meio de cultura ideal para germinar sementes de orquideas.Em 1922,o Dr.Lewis Knudson,um cientista da Universidade Cornell,nos Estados Unidos,descobriu que,quando as sementes eram colocadas numa mistura de água,açúcar e ágar(uma substância gelatinosa extraida de algas marinhas),elas brotavam e cresciam bem.Logoaficionados estavam produzindo novas orquideas híbridas em abundância.Essa "febre de orquideas" continua até hoje.Todo ano surgem muitos exemplares híbridos nunca vistos em público...

    Shrolaelio Cattleya Ayrton Senna *Orange Queen* AQ/AOS

    foto por Mac! G.L.fotografe  MINHA ORQUÍDEA
     Shrolaelio Cattleya Ayrton Senna *Orange Queen* AQ/AOS
    Origem:híbrido
    Condições ideais:Suporta bemvariaçõe climáticas,adaptando-se a temperaturas que oscilam entre 16C e 30C
    Curiosidades: Sophrolaeliocattleya resulta do cruzamento de espécies dos gêneros Sophronitis,Laleis e Cattleya.É uma bela planta,que encanta pela tonalidade alaranjada com veias avermelhadas

    Dendrobium Nobile

    foto por Mac! G.L.fotografe  MINHA ORQUÍDEA
    Dendrobium Nobile

    Nome Técnico:
    Dendrobium nobile Lindl.
    Sin.Dendrobium formosoanum (Rchb.) Masam.
    Nomes Populares :
    orquídea olho-de-boneca
    Família :
     Família Orchidaceae
    Origem:
     Originária da China

    Descrição:
     Planta herbácea de hábito epífita, forma grandes touceiras em geral de 0,45 m de altura.
    Possui pseudobulbos sulcados, com nós e entrenós bem marcados na cor verde.
    As folhas são curtas, flexíveis e finas e estão inseridas nestes nós, ao longo dos pseudobulbos de onde também surgem as flores.
    Estas são de cores variadas, inclusive bicolores, de tamanho 6cm x 6,5 cm, sobre haste floral de 2 cm.
    A flor tem duração de aproximadamente 30 dias, conforme a região e a temperatura, na época da primavera.
    O nome Dendrobium do grego significa planta que vive nas árvores.
    É um dos gêneros que mais tem espécies, cerde 1000 a 1400.
     
    Modo de Cultivo :

    Dendrobium Nobile Rosa

    foto por Mac! G.L.fotografe  MINHA ORQUÍDEA
     Dendrobium Nobile

    Nome Técnico:
    Dendrobium nobile Lindl.
    Sin.Dendrobium formosoanum (Rchb.) Masam.
    Nomes Populares :
    orquídea olho-de-boneca
    Família :
     Família Orchidaceae
    Origem:
     Originária da China

    Descrição:
     Planta herbácea de hábito epífita, forma grandes touceiras em geral de 0,45 m de altura.
    Possui pseudobulbos sulcados, com nós e entrenós bem marcados na cor verde.
    As folhas são curtas, flexíveis e finas e estão inseridas nestes nós, ao longo dos pseudobulbos de onde também surgem as flores.
    Estas são de cores variadas, inclusive bicolores, de tamanho 6cm x 6,5 cm, sobre haste floral de 2 cm.
    A flor tem duração de aproximadamente 30 dias, conforme a região e a temperatura, na época da primavera.
    O nome Dendrobium do grego significa planta que vive nas árvores.
    É um dos gêneros que mais tem espécies, cerde 1000 a 1400.
     
    Modo de Cultivo :

    Dendrobium Nobile

    foto por Mac! G.L.fotografe
    Dendrobium Nobile


    Nome Técnico:
    Dendrobium nobile Lindl.
    Sin.Dendrobium formosoanum (Rchb.) Masam.
    Nomes Populares :
    orquídea olho-de-boneca
    Família :
     Família Orchidaceae
    Origem:
     Originária da China

    Descrição:
     Planta herbácea de hábito epífita, forma grandes touceiras em geral de 0,45 m de altura.
    Possui pseudobulbos sulcados, com nós e entrenós bem marcados na cor verde.
    As folhas são curtas, flexíveis e finas e estão inseridas nestes nós, ao longo dos pseudobulbos de onde também surgem as flores.
    Estas são de cores variadas, inclusive bicolores, de tamanho 6cm x 6,5 cm, sobre haste floral de 2 cm.
    A flor tem duração de aproximadamente 30 dias, conforme a região e a temperatura, na época da primavera.
    O nome Dendrobium do grego significa planta que vive nas árvores.
    É um dos gêneros que mais tem espécies, cerde 1000 a 1400.
     
    Modo de Cultivo :

    Cymbidium Tranquiliti

     Cymbidium  Tranquiliti
    MINHA ORQUÍDEA
    Nome Técnico:
    Cymbindium
    Nomes Populares :
    Cimbíndio
    Família :
     Família Orchidaceae
    Origem:
     Natural da Ásia e Oceania.


    Descrição:
      Planta herbácea perene, epífita de longas folhas estreitas e coriáceas de quase 1,0 m de comprimento, presas a pseudobulbos de forma ovóide.
    As flores se apresentam de diversas cores e variam de forma conforme a espécie e cultivares, reunidas em grande inflorescência.
    Uma haste pode ter de 10 a 140 cm e conter até 60 flores.
    Devido ao intenso interesse por esta planta há hoje cerca de 40 espécies do gênero Cymbindium que estão registrados e híbridos que passam de 11 000.
    São cultivados desde o nível do mar até 2700 metros de altitude, com temperaturas mais baixas.
    Se levadas para regiiões mais quentes elas não florescem.
     
    Modo de Cultivo :
    Local de cultivo com sombreamento de 40 a 60%, devido ao nosso clima mais temperado e tropical.
    As mudas de Cymbindium proliferam em grandes touceiras, sendo necessário um recipiente grande para contê-las e um bom espaço no ripado para cultivá-las.
    O substrato de cultivo deve ser leve e deixar passar a água de regas e chuva, o melhor é a argila expandida ou pedrinhas arredondadas.
    A adubação feita com adubos orgânicos só pode ser feita com o material posto em água para dissolução e coado, pois a concentração deste material seco pode danificar as raízes.
    Adubação com NPK granulado e dissolvido deve conter boa dose de nitrogênio e potássio, então escolher os de formulação 10-5-15, dissolvendo a medida em água e aplicar sobre as raízes.
    Observar a época é importante, quando as raízes estiverem com as pontas verdes, deve-se adubar para que a planta possa ter nutrientes para seu crescimento.
    A propagação por divisão de touceiras é a forma caseira de fazer mudas, separando sempre com pelo menos dois pseudbulbos e evitar sacrificar a planta-mãe e não danificar as raízes ao retirar o filhote.

    Paisagismo:
    Uma das orquídeas mais cultivadas no mundo, pela beleza e diversidade de suas flores e cores.
    Presente em ambientes modernos ou clássicos em jardins ou em interiores bem iluminados, quando em floração é indispensável em qualquer orquidiário amador.

    Dendrobium Nobile Rosa Claro

     Dendrobium Nobile
    MINHA ORQUÍDEA

    Nome Técnico:
    Dendrobium nobile Lindl.
    Sin.Dendrobium formosoanum (Rchb.) Masam.
    Nomes Populares :
    orquídea olho-de-boneca
    Família :
     Família Orchidaceae
    Origem:
     Originária da China

    Descrição:
     Planta herbácea de hábito epífita, forma grandes touceiras em geral de 0,45 m de altura.
    Possui pseudobulbos sulcados, com nós e entrenós bem marcados na cor verde.
    As folhas são curtas, flexíveis e finas e estão inseridas nestes nós, ao longo dos pseudobulbos de onde também surgem as flores.
    Estas são de cores variadas, inclusive bicolores, de tamanho 6cm x 6,5 cm, sobre haste floral de 2 cm.
    A flor tem duração de aproximadamente 30 dias, conforme a região e a temperatura, na época da primavera.
    O nome Dendrobium do grego significa planta que vive nas árvores.
    É um dos gêneros que mais tem espécies, cerde 1000 a 1400.
     
    Modo de Cultivo :
    Na época de crescimento esta planta necessita de regas freqüentes e abundantes, principalmente no verão.
    Deixa-se secar entre regas para que as raízes não fiquem encharcadas e não percam a capacidade de respiração.
    O local de cultivo deve ser bem arejado com muita luz, portanto o sobreamento do ripado deve ter pelo menos 30%.
    Em lugares de verões fortes, evitar o sol da tarde que poderá queimar as folhas.
    Para adubar a planta, durante o período de crescimento, usar adubo granulado tipo NPK fórmula 10-10-10, dissolvido, regando o substrato.
    Um dia antes não esquecer de regar bem, evitando a concentração de sais que podem prejudicar a planta.
    Como o Dendrobium floresce no fim da primavera até a entrada de verão, na início da primavera adubar com fertilizante com mais fósforo, tipo NPK 4-14-8.
    Existem muitas recomendações de adubos de formulação mais pesada, mas acreditamos que na natureza isto não ocorra, e quem é mais leigo no assunto deve evitar experimentações com suas plantas.
    Menos significam doses mais homeopáticas como a planta tem nas matas.
    Excesso de adubo em orquídeas acaba no chão, sendo percolado no perfil do solo contaminando lençóis freáticos, com toda a implicação danosa ao meio ambiente que sabemos.
    Pode ser multiplicado pela divisão de touceira e por pequenas brotações que aparecem nas laterais dos pseudobulbos.
    Aguardar até que estas brotações tenham raízes para retirar e então preparar o vaso conforme explicado no passo a passo.
    Para fazer a propagação desta planta, separe a muda da planta-mãe, faça a preparação do vaso colocando isopor e argila expandida no fundo e por cima fibra de coco ou musgo seco e acomode a planta. Prenda um tutor e fixe com atilho. Coloque arame para pendurar no ripado e regue bem. Veja as fotos do passo a passo.

    Paisagismo:
    É um dos gêneros mais apreciados e pode ser cultivado em vasos pequenos ou ser fixado a troncos de árvores, cyccas e palmeiras.

    Dendrobium Nobile Branco Rosa Claro

     Dendrobium Nobile
    MINHA ORQUÍDEA

    Nome Técnico:
    Dendrobium nobile Lindl.
    Sin.Dendrobium formosoanum (Rchb.) Masam.
    Nomes Populares :
    orquídea olho-de-boneca
    Família :
     Família Orchidaceae
    Origem:
     Originária da China

    Descrição:
     Planta herbácea de hábito epífita, forma grandes touceiras em geral de 0,45 m de altura.
    Possui pseudobulbos sulcados, com nós e entrenós bem marcados na cor verde.
    As folhas são curtas, flexíveis e finas e estão inseridas nestes nós, ao longo dos pseudobulbos de onde também surgem as flores.
    Estas são de cores variadas, inclusive bicolores, de tamanho 6cm x 6,5 cm, sobre haste floral de 2 cm.
    A flor tem duração de aproximadamente 30 dias, conforme a região e a temperatura, na época da primavera.
    O nome Dendrobium do grego significa planta que vive nas árvores.
    É um dos gêneros que mais tem espécies, cerde 1000 a 1400.
     
    Modo de Cultivo :
    Na época de crescimento esta planta necessita de regas freqüentes e abundantes, principalmente no verão.
    Deixa-se secar entre regas para que as raízes não fiquem encharcadas e não percam a capacidade de respiração.
    O local de cultivo deve ser bem arejado com muita luz, portanto o sobreamento do ripado deve ter pelo menos 30%.
    Em lugares de verões fortes, evitar o sol da tarde que poderá queimar as folhas.
    Para adubar a planta, durante o período de crescimento, usar adubo granulado tipo NPK fórmula 10-10-10, dissolvido, regando o substrato.
    Um dia antes não esquecer de regar bem, evitando a concentração de sais que podem prejudicar a planta.
    Como o Dendrobium floresce no fim da primavera até a entrada de verão, na início da primavera adubar com fertilizante com mais fósforo, tipo NPK 4-14-8.
    Existem muitas recomendações de adubos de formulação mais pesada, mas acreditamos que na natureza isto não ocorra, e quem é mais leigo no assunto deve evitar experimentações com suas plantas.
    Menos significam doses mais homeopáticas como a planta tem nas matas.
    Excesso de adubo em orquídeas acaba no chão, sendo percolado no perfil do solo contaminando lençóis freáticos, com toda a implicação danosa ao meio ambiente que sabemos.
    Pode ser multiplicado pela divisão de touceira e por pequenas brotações que aparecem nas laterais dos pseudobulbos.
    Aguardar até que estas brotações tenham raízes para retirar e então preparar o vaso conforme explicado no passo a passo.
    Para fazer a propagação desta planta, separe a muda da planta-mãe, faça a preparação do vaso colocando isopor e argila expandida no fundo e por cima fibra de coco ou musgo seco e acomode a planta. Prenda um tutor e fixe com atilho. Coloque arame para pendurar no ripado e regue bem. Veja as fotos do passo a passo.

    Paisagismo:
    É um dos gêneros mais apreciados e pode ser cultivado em vasos pequenos ou ser fixado a troncos de árvores, cyccas e palmeiras.

    Dendrobium Nobile Alba


    MINHA ORQUÍDEA
    Nome Técnico:
    Dendrobium nobile Lindl.
    Sin.Dendrobium formosoanum (Rchb.) Masam.
    Nomes Populares :
    orquídea olho-de-boneca
    Família :
     Família Orchidaceae
    Origem:
     Originária da China

    Descrição:
     Planta herbácea de hábito epífita, forma grandes touceiras em geral de 0,45 m de altura.
    Possui pseudobulbos sulcados, com nós e entrenós bem marcados na cor verde.
    As folhas são curtas, flexíveis e finas e estão inseridas nestes nós, ao longo dos pseudobulbos de onde também surgem as flores.
    Estas são de cores variadas, inclusive bicolores, de tamanho 6cm x 6,5 cm, sobre haste floral de 2 cm.
    A flor tem duração de aproximadamente 30 dias, conforme a região e a temperatura, na época da primavera.
    O nome Dendrobium do grego significa planta que vive nas árvores.
    É um dos gêneros que mais tem espécies, cerde 1000 a 1400.
     
    Modo de Cultivo :
    Na época de crescimento esta planta necessita de regas freqüentes e abundantes, principalmente no verão.
    Deixa-se secar entre regas para que as raízes não fiquem encharcadas e não percam a capacidade de respiração.
    O local de cultivo deve ser bem arejado com muita luz, portanto o sobreamento do ripado deve ter pelo menos 30%.
    Em lugares de verões fortes, evitar o sol da tarde que poderá queimar as folhas.
    Para adubar a planta, durante o período de crescimento, usar adubo granulado tipo NPK fórmula 10-10-10, dissolvido, regando o substrato.
    Um dia antes não esquecer de regar bem, evitando a concentração de sais que podem prejudicar a planta.
    Como o Dendrobium floresce no fim da primavera até a entrada de verão, na início da primavera adubar com fertilizante com mais fósforo, tipo NPK 4-14-8.
    Existem muitas recomendações de adubos de formulação mais pesada, mas acreditamos que na natureza isto não ocorra, e quem é mais leigo no assunto deve evitar experimentações com suas plantas.
    Menos significam doses mais homeopáticas como a planta tem nas matas.
    Excesso de adubo em orquídeas acaba no chão, sendo percolado no perfil do solo contaminando lençóis freáticos, com toda a implicação danosa ao meio ambiente que sabemos.
    Pode ser multiplicado pela divisão de touceira e por pequenas brotações que aparecem nas laterais dos pseudobulbos.
    Aguardar até que estas brotações tenham raízes para retirar e então preparar o vaso conforme explicado no passo a passo.
    Para fazer a propagação desta planta, separe a muda da planta-mãe, faça a preparação do vaso colocando isopor e argila expandida no fundo e por cima fibra de coco ou musgo seco e acomode a planta. Prenda um tutor e fixe com atilho. Coloque arame para pendurar no ripado e regue bem. Veja as fotos do passo a passo.

    Paisagismo:
    É um dos gêneros mais apreciados e pode ser cultivado em vasos pequenos ou ser fixado a troncos de árvores, cyccas e palmeiras.

    Denphal Alba

    Denphal Alba
    MINHA ORQUÍDEA

    Nome: Dendrobium Phalaenopsis
    Nome popular: Denphal
    Família: Orquidaceae
    Origem: Nordeste da Austrália e Indonésia

    Essa orquídea possui uma gama bastante variada de cores indo de vermelho púrpura a branco puro e dá de 3 a 20 flores por haste e o tamanho varia de 3,5 a 10 cm de diâmetro. Sua duração é de muitos dias. Considerada como uma orquídea de fácil cultivo, precisa de clima quente, devendo ser bem regada durante o período de crescimento, diminuição de rega na fase que antecede a floração. Precisa de luminosidade bastante elevado e uma ventilação muito boa durante o ano todo. Época da floração é no verão e inverno.

    Dendrobium Phalaenopsis

     Dendrobium Phalaenopsis
    MINHA ORQUÍDEA
     
    Colorido das flores         Possui uma gama bastante variada de cores indo de vermelho púrpura a branco puro.
    Número de flores por haste      De 3 a 20 por inflorescência.
    Tamanho da flor              Varia de 3.5 a 10cm de diâmetro.
    Condições requeridas   Considerada como uma orquídea de fácil cultivo, precisa de clima quente, devendo ser bem regada durante o período de crescimento, diminuição de rega na fase que antecede a floração. Precisa de luminosidade bastante elevado e uma ventilação muito boa durante o ano todo. Aplicar um adubo nitrogenado durante o período de crescimento e um adubo nitrogenado na fase que antecede a floração.
    Época da floração            Verão e inverno.
    Origem                Nordeste da Austrália e Indonésia.